Awol Erizku: além do ensaio com a Beyoncé

Awol Erizku

Awol Erizku tem 28 anos, nasceu na Etiópia e atualmente mora em Nova Iorque. O fotógrafo fez uma série de retratos que são releituras de famosas obras de arte com modelos negros, apontado a falta de diversidade nas artes clássicas. Esse trabalho é de 2012, e foi exposto em Nova Iorque. Erizku teve suas fotos publicadas pela Vogue e The New Yorker. E além da fotografia trabalha com pintura, música e instalações, faz curtas e mixtapes, é possível ver a sua diversidade no tumblr  e no seu canal do vimeo.

    

Erizku trabalha também com a revista Vice há anos, seu trabalho não era conhecido no Brasil, mas no circuito das artes e nos EUA sim, há também a parceria com o festival Afropunk. A grandeza do seu trabalho além da beleza e variedade das mídias pelas quais ele circula é o uso de referências da cultura africana, afinal faz parte da sua ascendência etíope.

Ensaio “Tenho Três Corações”

No início de 2017 sua foto se tornou a mais curtida do Instagram com mais de 11 milhões de likes. O artista foi responsável pelo incrível ensaio de gestante da cantora Beyoncé, no momento em que ela divulgou que estava grávida de gêmeos. O ensaio chamado “Tenho Três Corações” gerou muita discussão e opiniões controversas entre o público e fotógrafos, que consideraram o ensaio “cafona/brega”. Temos que pensar que não é um trabalho comercial, e sim conceitual e artístico.

O conceito do ensaio foi criado pela cantora junto com o fotógrafo, as cores chapadas e fortes vêm das inspirações que eles buscaram na cultura africana, na força das entidades femininas, Beyoncé fala em seu site, de um sonho com Oxum, Nefertiti, Iemanjá, deusas de origens diversas, que simbolizam fertilidade, amor, prosperidade e beleza.

Beyoncé e sua filha Blue Ivy.

Em parceria com Wilbert L. Cooper (ator e escritor) publicado pela Vice, Erizku fez um incrível ensaio inspirado nas barbearias americanas consideradas uma instituição Norte-Americana.

Wilbert se inspirou na própria história de como as barbearias foram importantes para ele não apenas como um lugar para cortar o cabelo, mas como um espaço de troca, de convivência e tradição.

Cooper e Erizku escolheram a Barbearia Levels, em Nova York, e convidaram como modelos rapazes de um coletivo chamado Tribe NYC que se inspira na cultura negra dos anos 1980 e começo dos anos 1990.Os jovens negros usam cabelo como forma de expressar sua história também.

Awol Erizku é um artista foda, que junto com a Queen Bey fez mais um trabalho foda, ele tem talento, técnica, criatividade e originalidade. O que aos olhos de alguns pode causar estranheza na estética do seu trabalho, também pode ser considerado ignorância relacionada a cultura africana, um continente rico e diverso, infelizmente pouco explorado artisticamente e muito estereotipado. E vale pontuar que temos nosso olhar engessado pela estética e estilo europeus e norte-americano.

Em entrevistas o artista fala da sua visão de ver artistas negros sendo reconhecidos na história da arte. Temos um longo caminho a percorrer, mas o seu trabalho já é um passo à frente.

Veja mais algumas fotos na galeria abaixo:

Preta, feminista, da quebrada de São Paulo, fotógrafa. Escrevo com luz e me arrisco nas palavras. Nado pra não me afogar. Danço pra não enferrujar.