Box Braids

Braids

Fizemos uma seleção de fotos e uma pesquisa sobre Box Braids para informar e inspirar quem está afim de colocar tranças. Elas são versáteis, coloridas e práticas, vão do estilo clássico até a lacração. Uma ótima opção para quem está passando pela transição capilar e não tem segurança para fazer o big chop e tampouco tem tempo ou paciência para lidar com as diferente texturas do cabelo parte com química parte natural.

Tranças são um penteado protetor, ao contrário do que muitos pensam, justamente pelos cabelos estarem dentro das tranças eles estão protegidos de agressões externas e torna-se mais fácil que nutrientes percorram todo o fio, cabelos crespos e cacheados tem essa especificidade por causa das curvas que por vezes tornam o cabelo mais seco, principalmente nas pontas. Ou seja, usando as tranças os produtos que você aplica na raiz chegam com mais facilidade até as pontas é um benefício e estímulo para o crescimento saudável do cabelo.

O nome Box Braids remete literalmente à caixa (significado em inglês da palavra box), já que quando o cabelo é trançado é dividido em pequenas machas quadradas na cabeça, cada quadradinho é uma caixinha que será transformada em uma trança.

Me tornei adepta do estilo há pouco tempo e me apaixonei, pela praticidade e variedade de penteados que permite. Foi usando que entendi e me livrei de algumas estigmas que tinha desde a infância sobre como cuidar das tranças e o medo de que iria quebrar todo o meu cabelo. Passei muito tempo achando que faria mal, quando sempre foi o contrário. Lembro-me que quando criança chamávamos de Kanekalon, essa é uma das marcas de cabelo sintético que pode ser usado, hoje o Jumbo é mais popular, por ser mais leve e menos brilhante, apesar de um pouco mais caro, porém tem uma infinidade de cores e o resultado é sensacional e permite explorar a nossa criatividade. Outra forma econômica é fazer com lã ou com linha de crochê.

Aqui no Brasil durante o período da escravidão mulheres negras eram proibidas de usar qualquer acessório que remetesse às suas origens africanas, religiosidade e ancestralidade, por exemplo turbantes e tranças. Por isso a partir da abolição retornar a essas estéticas torna-se um ato também de resistência além de reafirmação de uma cultura apagada, assim como fizeram as pessoas negras na Jamaica ao usar dreadlocks. E como bem sabemos a abolição não significa aceitação, pois até hoje percebemos a falsa simetria quando mulheres brancas usam a mesma estética e são elogiadíssimas, tornam-se ícones fashion. Enquanto com mulheres negras isso não acontece.

Mulheres negras sempre usaram tranças, é um costume de origem africana de diferentes regiões do continente com diferentes significados, podiam representar status social, se eram casadas ou não, tribo a qual pertenciam e até a idade. As tranças datam do Egito antigo de 3500 AC aproximadamente, e também da Namíbia, nossos antepassados usavam, feltro, lã e também cabelo na feitura das tranças. Elas eram decoradas com conchas, joias e outros itens significativos, para representar fertilidade, riqueza e posição dentro do sacerdócio. Eram muito caras, e demandavam muito tempo e material, presume-se que uma mulher que tinha condições tempo/recursos para fazer as tranças era uma mulher muito rica.

Hoje elas não carregam todos esses significados, mas carregam uma valor ancestral. Ainda demandam tempo, geralmente entre sete e dez horas, varia de acordo com o tamanho e quantidade de cabelo. Você pode encontrar trançadeiras com preços diversos. Cada uma sabe o custo do seu trabalho, não é fácil passar tanto tempo em pé, é um trampo bem trabalhoso. Mas também é uma experiência muito legal passar tanto tempo com uma pessoa cuidando do seu cabelo e conversando, construímos novos significados.

Tranças são lindas! Se inspire!

Aquela olhadinha discreta quando o crush tá vindo! 😂

A post shared by Magá Moura (@magavilhas) on

A post shared by Katy Illy (@katyilly) on

We LIT #afropunkatlanta @afropunk

A post shared by Magá Moura (@magavilhas) on

 

Preta, feminista, da quebrada de São Paulo, fotógrafa. Escrevo com luz e me arrisco nas palavras. Nado pra não me afogar. Danço pra não enferrujar.