Dreads

Dreads

Las pretas vai apresentar informações pra você entender o que são dreads, se inspirar e quem sabe usar também!

De onde eles vem

foto: Joey L

Em tradução literal Dreadlocks significa “cachos que dão medo”. E justamente por isso são símbolo de contracultura, e de um movimento anticapitalista.

São uma forma de manter o cabelo que vai além da estética. Não existe apenas uma origem, e vale lembrar que não deveriam ser considerados apenas como um penteado ou uma mudança de visual, são uma forma de posicionamento político, ancestralidade e símbolo étnico religioso dentro da cultura Rastafári e Indu por exemplo. É importante entender seu significado e origem.

Na Jamaica os dreads já eram usados desde de 1834 mais ou menos. Seu uso cresce após a libertação do povo negro escravizado que tinha o objetivo de afirmar sua cultura em meio a colonização europeia. Nesse contexto os dreads tornam-se simbolo de resistência política e afirmação, o chamado Natty Dread. Já a religião Rastafári surgiu na Jamaica em 1930 por causa da adoração ao rei Haile Selassie, primeiro imperador negro a governar um país africano, a Etiópia, acredita-se que ele é a representação ou reencarnação do Deus JahBob Marley é ícone do movimento rasta, que junto com a sua musica se espalha pelo mundo.

Séculos antes os dreads já eram usados em diversas regiões do mundo principalmente na África na região da Etiópia, Angola, Egito e Kênia. Em Namíbia ele representa o estado civil das mulheres. Quando solteiras usam os cabelos virados para frente e depois do casamento usam os cabelos para trás e coloridos de vermelho junto com um adorno de couro.

Na Índia seguidores da seita Sadhu dentro do Induísmo usavam esse cabelo em homenagem da Shiva, lá o dreads são chamados de Jata, eles tem como hábito cultivar o cabelo de maneira natural, deixando crescer livremente, pois o cabelo representa libertação espiritual. No Japão existem os rastas-budistas e também os Maoris da Nova Zelândia. Há registros em múmias no Peru do período de mais ou menos 200 e 800 D.C.. Registros dos dreads datam da antiguidade pré bíblica.

Na década de 1960 e 1970 o movimento hippie simpatizante da cultura hindu também passa a usar os dreads.

Opções

Dreads se formam por causa da oleosidade do próprio cabelo embolando com a mão até ficar na forma cilíndrica, já que o cabelo naturalmente se embaraça, essa era uma forma prática que ajuda cultivar o cabelo, prender e diminuir o volume e requer poucos cuidados diários e com manutenção.

Hoje nos salões, cabelo é dividido em mechas assim como para trançar e entrelaçado com agulha. É um processo longo e trabalhoso que pode ser um muito dolorido. Alguns profissionais usam cera de abelha para melhor fixação, mas não é realmente necessário. Conforme o cabelo vai crescendo é feita a manutenção entrelaçando a raiz novamente. Os cuidados e higiene são absolutamente normais, lavagem com shampoo anti resíduos é importante, existem produtos no mercado específicos.

Quando o dread é feito apenas com o cabelo é definitivo, em cabelo crespos é muito difícil e trabalhoso desembaraçar, em cabelos lisos há uma possibilidade maior. Então há uma grande chance de ter que cortar para voltar a ter o cabelo natural.

Uma opção temporária são os Dreads de lã, ou outro tipo de cabelo sintético, o cabelo é trançado e depois envolto na lã. A manutenção é diferente, recomenda-se o uso apenas de shampoo, pois a lã escorrega com o condicionador. Quanto a frequência de lavagens, é menor, semanalmente ou a cada dez dias. A durabilidade é dois a quatro meses dependendo desses cuidados. Um ponto positivo legal é que você pode brincar com as cores, são infinitas as possibilidades com a lã ou cabelo sintético.

Dentro do movimento Rastafari os cabelos só podiam ser lavados com água purificada é uma questão religiosa, também deveria crescer livremente como na história de Sanção é a representação da força, é uma regra religiosa.

“O processo de massificação e ressignificação do estilo teve início nos anos 60 com o Reggae cooptado pela cultura de mídia, tendo seus elementos sagrados esvaziados de sentido. Vinculado à cultura de juventude, ainda em processo de reconfiguração, as mensagens de paz, amor e redenção; as marcas e produtos culturais do rastafarismo, como o reggae e o penteado dreadlocks, conquistam o imaginário da juventude globalizada apontando para um tipo de vida resignificada.”  (http://mukuna.com.br/dreadlocks-origem-e-historia/)

 

Ah, os dreads são polêmicos. Atualmente estão em alta, alguns desavisados diriam que estão na “moda”, por outros é considerado esteticamente feio e sujo, falácias preconceituosas. Tornou-se mais uma estética cooptada pela globalização e indústria cultural que transcende seus aspectos políticos e religiosos. É valido pesquisar antes de aderir ao “estilo”, fale com profissionais, entenda os significados. Fica lindo, mas e muito mais que isso também é símbolo de luta e de identidade. Qual é a sua?

Respeita os Dreads!

View this post on Instagram

Das tardes ensolaradas em essepê ❤ Foto: @fgonsales

A post shared by Mel Duarte (@melduartepoesia) on

View this post on Instagram

Gosto-me

A post shared by Ana Paula Xongani (@anapaulaxongani) on

View this post on Instagram

@princejamen

A post shared by Dreads Locs Twist (@dreadslocstwist) on

Preta, feminista, da quebrada de São Paulo, fotógrafa. Escrevo com luz e me arrisco nas palavras. Nado pra não me afogar. Danço pra não enferrujar.