Exposição “Histórias afro-atlânticas” fica em cartaz até 21 de outubro de 2018

Histórias afro-atlânticas

Histórias afro-atlânticasA exposição Histórias afro-atlânticas une dois dos maiores centros culturais de São Paulo, o MASP (Museu de Arte de São Paulo) e o Instituto Tomie Ohtake.

São mais de 450 trabalhos de 214 artistas, do século 16 ao 21, em torno dos “fluxos e refluxos” entre a África, as Américas, o Caribe, e também a Europa.

“O Brasil é um território central nas histórias afro-atlânticas, pois recebeu aproximadamente 46 por cento dos cerca de 11 milhões de africanos e africanas que desembarcaram compulsoriamente neste lado do Atlântico, ao longo de mais de 300 anos. Também foi o último país a abolir a escravidão mercantil com a Lei Áurea de 1888, que perversamente não previu um projeto de integração social, perpetuando até hoje desigualdades econômicas, políticas e raciais. Por outro lado, o protagonismo brasileiro nessas histórias fez com que aqui se desenvolvesse uma rica e profunda presença das culturas africanas.
 
Histórias afro-atlânticas parte do desejo e da necessidade de traçar paralelos, fricções e diálogos entre as culturas visuais dos territórios afro-atlânticos—suas vivências, criações, cultos e filosofias. O Atlântico Negro, na expressão de Paul Gilroy, é uma geografia sem fronteiras precisas, um campo fluído, em que experiências africanas invadem e ocupam outras nações, territórios e culturas. 

A exposição não segue um ordenamento cronológico ou geográfico, sendo dividida em oito núcleos temáticos que tencionam diferentes temporalidades, territórios e suportes, nas duas instituições que coorganizam o projeto. No MASP: MAPAS E MARGENS, COTIDIANOS, RITOS E RITMOS e RETRATOS (no primeiro andar), MODERNISMOS AFRO-ATLÂNTICOS (no primeiro subsolo) e ROTAS E TRANSES: ÁFRICAS, JAMAICA E BAHIA (no segundo subsolo). No Instituto Tomie Ohtake: EMANCIPAÇÕES e RESISTÊNCIAS E ATIVISMOS.” – Texto retirado do site MASP.

Veja também:
Afrofuturismo nas Artes Visuais
Wafrica: a união das culturas japonesa e africana

Histórias afro-atlânticas:

29 de junho a 21 de outubro de 2018

Masp – Avenida Paulista, 1578, São Paulo, SP

Horários: terça a domingo: das 10h às 18h (bilheteria aberta até as 17h30);
quinta-feira: das 10h às 20h (bilheteria até 19h30)
Ingressos: R$ 35 (entrada); R$ 17 (meia-entrada)
O Masp tem entrada gratuita às terças-feiras, durante o dia todo.

Instituto Tomie Ohtake – Av. Faria Lima, 201 – Pinheiros, São Paulo

De terça à domingo, das 11h às 20h
Entrada Gratuita

Sou formada em Artes Visuais, apaixonada por arte, música, livros e HQs. Editora nos blogs Las Pretas e Sopa Alternativa.