Grupo Komunga traz afrofuturismo em som e performance para o Vale do Paraíba

Grupo Komunga traz afrofuturismo em som e performance   para o Vale do Paraíba

Grupo joseense Komunga mistura música eletrônica e orgânica em proposta performática

União entre os músicos Julio Rhazec e Lucas Baumgratz, o grupo Komunga entra na cena independente com um som que mistura música eletrônica com samples orgânicos em proposta performática afrofuturista. Representados pelas personagens Urukum e Risoflora, Komunga reflete sobre relação com a natureza, sintonia entre seres e convívio com as diferenças para contar suas estórias através de ritmos de matrizes africanas e indígenas.

Criado em São José dos Campos, interior de São Paulo, o grupo nasceu da vontade de se unir em prol da mensagem de comunhão e conciliação. Os músicos invocam as personagens Urukum e Risoflora, dois espíritos das floresta que são porta-vozes desta mensagem. Risoflora é uma entidade que nasce da necessidade de auxílio ao povo da Diáspora Africana. Enquanto Urukum é um ser cultuado pelos antigos povos Ameríndios e ressurge no mundo atual como diplomata para negociar a paz por meio da música.

As personagens vão, então, para além da estética e marcam uma representatividade com uma narrativa própria. Suas estórias serão compostas através dos clipes do grupo e de sua trajetória marcada pelas performances em cada show e intervenção artística.

Leia também:
Afrofuturismo, você sabe o que é?
Saiba mais sobre o Afrofuturismo na música

As influências performáticas de Komunga vão de Björk a Daft Punk, e as influências sonoras giram em torno de Xênia França, Baiana System e Luiza Lian. Para além das musicais, o grupo também traz consigo influências filosóficas, comportamentais e de culturas afro-brasileiras e indígenas se misturam com a tecnologia e uma visão de futuro utópica. Seu afrofuturismo,

marcado na estética e dramaturgia composta pelo grupo, está também em seu som. A base de música eletrônica, com samples de música orgânica chegam como uma “música de proposta”, repleta de reflexão sobre a linguagem e sobre o que querem sugerir. “E se convivêssemos todos juntos e em paz?” E esse o questionamento e a provocação da Komunga.

Em parceria desde 2016, Julio Rhazec e Lucas Baumgratz já compartilharam projetos na região do Vale do Paraíba, como Maxadada Vale Audiovisual e a Mostra Formiga Independente, além de estarem juntos em palcos como o da Hocus Pocus, casa de show conhecida por dar espaço para bandas independentes. As primeiras músicas a ser lançadas pelo grupo Komunga são “Uma Flor” e “Vem Pra Saravá”, estarão em breve em seu canal no YouTube. Seu primeiro show, agendado para o dia primeiro de novembro, acontecerá na abertura de uma exposição no Parque Vicentina Aranha, local de cultura e arte joseense.

SERVIÇO:

Show de lançamento Komunga
Data: 1o. de novembro, a partir das 19h
Local: Parque Vicentina Aranha
R. Eng. Prudente Meireles de Morais, 302
Vila Adyana, São José dos Campos

FICHA TÉCNICA:

Grupo “Komunga” é:
Lucas Baumgratz como Urukum;
Julio Rhazec como  Risoflora.

Redes Sociais:
Facebook: fb.me/komunga
Instagram: @komungamusica

Preta, feminista, da quebrada de São Paulo, fotógrafa. Escrevo com luz e me arrisco nas palavras. Nado pra não me afogar. Danço pra não enferrujar.