Nara Couto faz show no SESC Belenzinho

Artista baiana apresenta o projeto Contipurânia, em que mescla elementos de letras, ritmos, melodias, texturas, cores e dança para fazer sua própria releitura contemporânea da afro-descendência.

Nara Couto apresenta o show Contipurânia, no Teatro do Sesc Belenzinho no dia 15 de fevereiro de 2020, sábado, às 21h. A artista traz em suas letras temas oprimidos e celebrados, de forma poética, fazendo referência a sua identidade. O projeto tem direção artística de Elísio Lopes Jr. e arranjos de Letieres Leite.

Leia também:
Tributo aos Orixás: Antologia literária homenageia as religiões de matriz afro-brasileira
Tinna Rios lança 1º álbum intitulado “Essência”
[Playlist] Os sons do continente africano: O pop da Nigéria

A banda que acompanha Nara no show que acontece no Sesc Belenzinho é formada por Felipe Guedes (guitarra), Marissol Mwaba (baixo), Fabio Leandro (piano), Cauê Silva (percussão) e Ricardo Braga (percussão).

O projeto Contipurânia leva um nome que faz menção a reverência aos mais sábios, junto com o diálogo com o contemporâneo. Feito com base em uma pesquisa musical, a essência o trabalho leva o vislumbre de força e poder negro, junto com os elementos culturais fundidos na oralidade em destaque com a musicalidade”, explica Nara.

A artista se propõe a oferecer ao público uma interpretação afro-transcendente, multifacetada, criada por letras, ritmos, melodias, texturas, cores e dança, além de mostrar a matriz que é feita por ritmos puros oriundos da diáspora, relidos e atualizados com a história negra e baiana. O projeto, que é celebrado a partir da movimentação do corpo, é divido em três blocos: o sagrado, o encontro e o profano. O primeiro pelo culto e celebração aos orixás, o segundo pelo encontro do antigo com o novo e o terceiro é o resultado da multiplicação cultural a partir disso.

Nara Couto é pesquisadora das culturas africanas e afro-brasileiras. A artista, que nasceu no bairro do Curuzu (Salvador/BA) começou a pesquisar, ainda adolescente, sobre a relação da musicalidade baiana com o continente africano. Influenciada pelas batidas do bloco afro Ilê Aiyê, se especializou em dança afro-contemporânea. Atuou no Balé Folclórico da Bahia e viajou com grandes artistas da música, como Daniela Mercury, Ivete Sangalo, Margareth Menezes. Até ingressar na Orquestra Afrosinfônica, em 2009, como vocalista Mezzo Soprano. Todo o trabalho realizado com o Balé Folclórico da Bahia e, posteriormente, com a Orquestra Afrosinfônica deu a Nara uma carga afetiva e uma experiência empírica que faz do trabalho musical desta artista uma das grandes ‘joias’ da nova música produzida na Bahia.

NARA COUTO

Dia 15 de fevereiro de 2020. Sábado, às 21h
Local: Teatro (364 lugares)

Ingressos: R$ 30,00 (inteira); R$15,00 (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e servidor da escola pública com comprovante) e R$9,00 (credencial plena do Sesc – trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc e dependentes. Ingressos disponíveis pelo portal Sesc SP (www.sescsp.org.br) nas bilheterias das unidades a partir de 4/2, ao meio-dia e pelo portal Sesc SP (www.sescsp.org.br) a partir de 5/2, às 17h e nas bilheterias das unidades do Sesc. Limite de 2 ingressos por pessoa.
Recomendação etária: 12 anos
Duração: 90 minutos

Sesc Belenzinho
Endereço: Rua Padre Adelino, 1000.
Belenzinho – São Paulo (SP)
Telefone: (11) 2076-9700
www.sescsp.org.br/belenzinho

Estacionamento
De terça a sábado, das 9h às 22h. Domingos e feriados, das 9h às 20h.
Valores: Credenciados plenos do Sesc: R$ 5,50 a primeira hora e R$ 2,00 por hora adicional. Não credenciados no Sesc: R$ 12,00 a primeira hora e R$ 3,00 por hora adicional.

Para espetáculos pagos, após as 17h: R$ 7,50 (Credencial Plena do Sesc – trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo). R$ 15,00 (não credenciados).

Transporte Público

Metro Belém (550m) | Estação Tatuapé (1400m)

*Foto: duoAzu (Edgar Azevedo e Rafa Zu)