Nostalgia: Elas e Eu

Série Elas e Eu - SBT

All of Us, Elas e Eu como ficou conhecida no Brasil, foi transmitida pelo SBT. Nos Estados Unidos o seriado foi ao ar pela primeira vez em 2003, teve quatro temporadas acabando em 2007.

*Seus produtores executivos foram Will Smith e Jada Pinkett Smith, era uma série do canal norte americano CW.
Série Elas e Eu - SBT
Série Elas e Eu – SBT

A série era sobre a vida do apresentador de televisão Robert James (Duane Martin). Mostrando a dinâmica dele sendo pai, e como ele lidava com o seu filho Bobby (Khamani Griffin) a noiva Tia Jewel (Elise Neal) e a ex-esposa Neesee (LisaRaye McCoy). Era uma sitcom muito leve engraçada e com personagens coadjuvantes bem interessantes. LisaRaye era um grande destaque e o ator mirim Khamani Griffin, um golpe de fofura em cada cena. Tony Rock, irmão mais novo do Chris Rock, também fazia parte do elenco, era o alívio cômico e melhor amigo de Robert.

*O seriado também teve participações de Will Smith, Tira Banks e Beyoncé.

Segundo fontes americanas a série foi cancelada porque os atores não tiveram aumento de salários e estavam recebendo abaixo do mercado, a insatisfação dos atores foi justa.

Veja também:
Nostalgia: Um maluco no pedaço
Dear White People: entenda a série

É aquele tipo de série levinha e engraçada que faz passar o tempo e a gente se lembra com saudade, não tinha grandes dramas nem problematizações. Ao mesmo tempo que era representativa, isso era interessante, pessoas negras fazendo coisas comuns e sendo bem sucedidas, classe média normal. Isso não era uma questão na série estava posto, homens e mulheres com carreiras e os dramas eram apenas comuns. Era um seriado que não tinha nada demais e isso também é bom! Acredito que isso seja influência do casal Smith na produção, negros falando sobre negros tem um olhar menos estereotipado e acho que isso possibilita diferentes visões da nossa realidade, passamos a ser observados como seres tridimensionais também.

E às vezes a gente só quer isso, sentar no sofá e dar risada como uma comédia boba na televisão e se reconhecer ali, ou imaginar que talvez aquilo também pode ser possível pra gente. 

Preta, feminista, da quebrada de São Paulo, fotógrafa. Escrevo com luz e me arrisco nas palavras. Nado pra não me afogar. Danço pra não enferrujar.