“Pedra Polida – Poemas da Zona Mental” por Diogo Nogue

Olá amigos, finalmente mais uma lançamento está saindo do forno.
Desta vez no campo da poesia, meu livro Pedra Polida já está finalizado e gostaria de compartilhar com vocês como foi o desenvolvimento e a criação desse material que tenho muito orgulho de ter acabado.

Vamos então começar do início…

A ideia de lançar o livro reunindo algumas das minhas poesias preferidas já estava guardada na minha agenda de projetos desde 2015, na época ainda com o nome rascunho de “Meus versos possíveis” ou simplesmente “Zona Mental”. O plano inicial era uma reunião dos textos que publiquei em meu blog desde 2005, inicialmente hospedado no msn (quem lembra disso?), depois migrando para WordPress e finalmente o Blogger.

Veja também:
[Livros] Gabyanna Negra e Gorda: Solidão da mulher negra é tema de livro
Tributo aos Orixás: Antologia literária reúne contos e poemas para homenagear às religiões de matriz afro-brasileira

No Zona Mental, em sua fase mais ativa, cheguei a publicar textos diários entre poemas e textos de reflexão, passando por listas de música e algumas críticas. Com o tempo as frequência das publicações diminuíram por inúmeros fatores, porém a vontade de escrever versos e amor pela poesia sempre estão em mim.

Dessa forma o projeto ficou na gaveta em rascunho, porém este ano eu quis produzí-lo, sem enrolar mais. Eu já tinha a seleção de poemas que gostaria de publicar pronta, faltava agora uma forma de organização e um tema central.

O Nome e as temáticas

Depois de muita reflexão cheguei na divisão de 4 “capítulos”: Sobre o Não ter; Sobre o Indefinido; Sobre o Espelho e Sobre o Amor. 
Estas quatro fases seriam os temas que agrupariam os 56 poemas, porém ainda não estava contente com o nome, pois “Meus Versos possíveis” deixavam claros minha insegurança e era quase que um pedido de desculpa pelos meus escritos, com o tempo vi que não era isso que queria.

Foi então que o título “Pedra Polida” me ocorreu e achei extremamente coerente com a ideia de construir um poema. Além de o nome ter uma luz e ser mais positivo, também denota um trabalho em busca do Belo (bom e verdadeiro), ou seja, da arte em si. Para amarrar a temática, escolhi algumas pedras que faziam relação com os 4 capítulos. Ágata, água marinha, quartzo rosa e ônix.

Diagramação, ilustrações e Capa

Antes de definir o título do livro eu já tinha em mente que além de ser um livro de poesia o Pedra Polida ia ter também um micro conto ilustrado.

No início de cada capítulo uma ilustração contaria uma história com linguagem afrofuturista sem diálogos.

E o layout de diagramação tinha que ser belo e lapidado como o nome do livro, além de funcional. Os arabescos e padrões que emolduram os poemas foram o último toque para que Pedra Polida fosse concluído.

Com tudo pronto, a capa foi a última peça de design desenvolvida. Tive várias ideias e fiz alguns testes, alguns com ilustração, outros com fotomontagem e por fim escolhi que utilizaria apenas uma foto produzida.

Trazendo um ar mais sério e maduro para o livro, mas também místico e cheio de ancestralidade, unindo as referências das ilustrações, título e poemas.

Lançamento

Já é possível adquirir o livro na loja do site. Fiquem ligados aqui no site e na minha página do facebook para saber das novidades.

Serviço

Titulo: Pedra Polida – Poemas da Zona Mental
Páginas: 80
Ano: 2019
Autor e ilustrador: Diogo Nógue
Editora: Independente
ISBN: 978-65-900645-2-3
R$ 15

*Texto publicado anteriomente no site do artista.

Tânia Seles

Sou formada em Artes Visuais, apaixonada por arte, música, livros e HQs. Editora dos sites Las Pretas e Sopa Alternativa.