Poeta cubana Mirta Portillo e Dona Jacira se encontram em clube literário no SESC

Eventos com as presenças das escritores ocorrem nesta quarta (11) e na quinta (12) no Sesc Pompeia e Osasco respectivamente

Com a presença da cubana Mirta Portillo e da escritora Dona Jacira, o Lá na Laje deste mês de setembro ocorre nesta quarta-feira (11) às 19h39 no Sesc Pompeia e quinta-feira (12)  às 19h30 no Sesc Osasco, com entrada gratuita. No encontro, que é parte do clube literário, as autoras discutem “E se a ancestralidade for afro-atlântica” e falam sobre as obras “Una Mujer como yo” e “Café”. A mediação e curadoria é de Jéssica Balbino.

No debate, as autoras vão falar sobre como a ancestralidade, a própria biografia e as vivências influenciam a literatura? É sobre isso que as mulheres negras e escritoras falam neste encontro. A partir de suas obras e seus países– Cuba e Brasil – as autoras discutem seus costumes, suas conexões e como elas influenciam em sua escrita, fazendo com que elas relatem seus tempos através da literatura.

Leia também:
[Livros] Gabyanna Negra e Gorda: Solidão da mulher negra é tema de livro
Três Amigas, no Ritmo do Blues: uma amizade entre décadas

O clube do livro Lá na Laje: Resistência, substantivo feminino em 2019 discute a resistência na literatura e propõe um intercâmbio entre escritoras negras. Vindas de diferentes partes do mundo, elas conversam com escritoras brasileiras sobre resistência a partir de temas entrelaçados entre si, tais como exploração turística, escravidão, ditaduras, violência, voz, corpos, religião, entre outros. Os encontros têm como base o ineditismo de pessoas que não se encontrariam se não fosse no Lá na Laje.

Conheça as convidadas

Mirta Portillo. (Crédito da foto: Afrocubanas)
Mirta Portillo. (Crédito da foto: Afrocubanas)

Mirta Portillo é uma narradora oral ou “cuenta cuentos” como se diz em Cuba, seu país natal. Aos 73 anos de idade, a artista visitou o Brasil pela primeira vez em 2015 para narrar, ensinar e lançar seu primeiro livro de poemas.Cheia de vivacidade e experiência, Mirta realiza uma grande diversidade de trabalhos, abordando temas como gênero, amor, erotismo e cultura negra e muitas histórias em palestras, formações, espetáculos de contos para adultos e crianças, saraus e teatro. A carreira de Mirta é profundamente marcada por sua história de vida. Professora aposentada após dar aulas de mecânica por 30 anos em uma escola politécnica, Mirta só pôde se dedicar a narrar aos 55 anos, quando ficou viúva e já tinha criado os dois filhos que lhe deram oito netos e um bisneto. Entre os prêmios que Mirta já recebeu está “La Gitana Tropical”, o maior prêmio concedido pela Direção Provincial de Cultura de Havana, outorgado pelo seu projeto “El parquecito de los cuentos”, encontro de formação e contação de histórias para crianças, realizado há 18 anos em uma praça na periferia de Havana. Atualmente, é diretora do Festival Afropalabra e já espalhou suas histórias na Espanha, México, Colômbia, Itália e Suíça.

Dona Jacira. (Foto: Demétrios dos Santos Ferreira)
Dona Jacira. (Foto: Demétrios dos Santos Ferreira)

Dona Jacira nasceu no Natal de 1964, cresceu no Jardim Ataliba Leonel, na Zona Norte de São Paulo, e vive hoje no Jardim Cachoeira, na mesma região. É filha de Maria Aparecida, de quem herdou a garra e o gênio forte. Seu pai Estácio, missionário religioso, morreu meses antes do nascimento da caçula do casal. É autora do livro Café, biografia narrada em primeira pessoa, que apresenta palavras impressas que refletem mais que o brilho da poesia que, por vezes, brota do riso e o olhar reflexivo de Dona Jacira. Tal como em um baile, as palavras valsam entre um capítulo e outro e vão, suavemente, apresentando a rica história de uma mulher que decidiu perseverar. E assim, em um momento tão confuso de nossa história, Café completa bem mais que a conversa da tarde: o livro alerta sobre o que já foi vivido não só por Dona Jacira, mas para todas as “Jaciras” desta época e de todas as épocas passadas.

 

Jéssica Balbino é jornalista e produtora cultural. Pesquisadora, mestre em Comunicação pela Unicamp e diretora do documentário ‘Pelas Margens: vozes femininas na literatura periférica’. Curadora de eventos literários no Brasil, é editora do blog Margens e autora dos livros “Traficando Conhecimento” e “Hip-Hop: A Cultura Marginal”.

SERVIÇO

Sesc Pompeia
LÁ NA LAJE: Resistência Substantivo Feminino
Convidadas: Mirta Portillo e Dona Jacira
Quarta-feira (11) às 19h30
Área de Convivência
Entrada Gratuita

Tradução simultânea e em LIBRAS

Sesc Osasco
LÁ NA LAJE: Resistência Substantivo Feminino
Convidadas: Mirta Portillo e Dona Jacira
Quarta-feira (12) às 19h30
Tenda 2
Entrada Gratuita

Tânia Seles

Sou formada em Artes Visuais, apaixonada por arte, música, livros e HQs. Editora dos sites Las Pretas e Sopa Alternativa.