Poetas campeãs de slams discutem ‘corpos violentos’ no Sesc

Porsha Olayiwola, dos EUA e Negafya, de Salvador, falam sobre suas poesias, vozes e corpos

Nesta quarta-feira (25) e quinta-feira (26), as unidades do Sesc Pompeia e Osasco, respectivamente, recebem as poetas Porsha Olayiwola, de Boston (EUA) e Negafya (Salvador, BA) para a mesa “corpos violentos” dentro da programação do clube Lá na Laje, que neste ano tem como tema principal “Resistência: substantivo feminino”. A mediação e curadoria são da jornalista Jéssica Balbino. A entrada é gratuita.

Leia também:
Um pouco sobre Slam, Spoken Word, Poesia Marginal

O bate-papo discute como os corpos – gordos, negros, LGBTQIA+, com ancestrais escravizados podem usar a literatura para marcar o próprio tempo e sentimentos. As slammers, que já venceram campeonatos de poesia falada no Brasil e fora dele, falam sobre suas obras, suas performances, o poder das suas vozes e de seus corpos no mundo.

Vale destacar que na quinta-feira, a mesa no Sesc Osasco conta também com a participação da artista Carol Dall Farra, do Rio de Janeiro.

Porsha Olayiwola

Porsha é slammer de Chicago que vive em Boston, vice-campeã do Rio Poetry Slam em 2015, autora do poema “Por que eu estou tão brava?”, cujo vídeo viralizou em todo o mundo. Coordena oficinas de escrita criativa com bolsas para LGBTQI+ de todo o mundo no projeto “Strenth of Dolphins”. Como artista, Porsha escreve infra-politicamente para contar as histórias que são silenciadas, apagadas ou difíceis de liberar da ponta da língua. Ela tem um livro a ser lançado em janeiro de 2019 com Button Poetry.

Fabiana Lima (Negafya)

Fabiana Lima é conhecida também como NegaFya, tem 22 anos e é moradora do bairro Sussuarana, em Salvador (BA). Poeta, MC, artista de rua, produtora cultural e ativista cultural, integrante do grupo Resistência Poética. É idealizadora e produtora do Slam das Minas – BA, vice-campeã do campeonato brasileiro de poesia falada, o Slam BR, em 2016 e vice-campeã do Rio Poetry Slam, campeonato mundial no Rio de Janeiro, em 2018. É também autora do livro “Poesia marginal, visceral e ancestral”, com poesias que denunciam o racismo, o machismo e o sexismo, além de ter como principais característica a expressividade corporal e linguagem de fácil entendimento do público em geral.

Na quinta com Dall Farra
Dall Farra é estudante de Geografia pela UFRJ, slammer, rapper é um corpo lésbico no estado de exceção. Nascida e criada em Duque de Caxias (baixada Fluminense do Rio de Janeiro), suas letras podem ser consideradas denúncias dos descasos vividos pela população preta, pobre e periférica. Participa do livro “Querem nos calar – poemas para serem lidos em voz alta”.

Sobre o Lá na Laje

O Lá na Laje existe desde 2018 no Sesc Pompeia, tendo trabalhado com o tema “Clube do livro sem livros” e neste ano “Resistência, substantivo feminino”. A curadoria é dividida entre Jéssica Balbino e a programadora da unidade, Soraya Idehama.

Neste ano se entrelaçam outras conversa sobre ditaduras, violência, voz, corpos, religião, temas LGBTQi+, afeto, ancestralidade, entre outros, que ocorrerão em encontros que vão até novembro. Para os próximos encontros estão confirmados nomes como Mirta Portilla (Cuba),  Porsha Olayiwola (EUA), Igiaba Scego (Itália), Futhi Ntshingila (África do Sul) e as brasileiras Bell Puã (Recife), Fabiana Lima (Bahia), Cláudia Canto (São Paulo) Eliane Potiguara (Rio de Janeiro) e Dona Jacira (São Paulo).

A ideia é que, por meio desses encontros, também aconteça a difusão de novas vozes na literatura. “Estou muito feliz em fazer esta segunda etapa do projeto neste ano. Estamos num momento em que precisamos discutir sobre os temas propostos e promover o intercâmbio entre autoras de diferentes partes, com diferentes tipos de produção é uma forma de expandir o olhar para além do que estamos habituados”, disse Jéssica Balbino.

 SERVIÇO

QUARTA-FEIRA
25 de setembro às 19h30
SESC POMPEIA
Área de Convivência
Entrada gratuita
Tradução simultânea e em LIBRAS

QUINTA-FEIRA
26 de setembro às 19h30
SESC OSASCO
Tenda 2
Área de Convivência
Entrada gratuita
Tradução simultânea e em LIBRAS

Tânia Seles

Sou formada em Artes Visuais, apaixonada por arte, música, livros e HQs. Editora dos sites Las Pretas e Sopa Alternativa.